Voltar para a listagem de postagens

Um roteiro de três dias por Roma

A Cidade Eterna, como Roma é conhecida, é sempre encantadora. Há quem visite a cidade 3, 4, 5 vezes e não se canse de admirá-la e encontrar novos tesouros arquitetônicos, históricos ou culturais.

Há sempre muito o que fazer e na hora do descanso, não faltam bons lugares para experimentar a gastronomia romana, com fama no mundo todo.

Você pode começar o passeio por diferentes lugares da cidade, mas na nossa opinião, Roma é essencialmente uma cidade cheia de espiritualidade, por isso, sugerimos logo de cara a Cidade do Vaticano, com a Praça de São Pedro, a Basílica e os Museus.

Dia 1 – Vaticano

Se deparar com a Praça de São Pedro já vai fazer você pensar que a viagem valeu a pena só por aquela vista!

São 284 colunas e 88 pilastras dispostas de um jeito que parecem te abraçar. O mais interessante é que se posicionando nos discos de granito ao lado do obelisco, temos a chance de ver a elipse de Bernini, uma ilusão de ótica onde as colunas se alinham e parecem uma só.

Vaticano

A Basílica é um capítulo a parte. Ali, não deixe de prestar bastante atenção ao altar principal, mesmo se a Igreja tem 46 deles. Destaque também para a Pietá de Michelângelo, ao São Pedro de Bronze (é tradição tocar no pé de São Pedro para pedir proteção), ao túmulo de João Paulo II, à Cúpula toda feita de mosaicos e ao Baldaquino de Bronze que está sobre o túmulo de São Pedro e tem 30 metros de altura.

Anexos à Basílica, estão os Museus do Vaticano, que parecem um só, mas são diversos. Ali, vale se deter um tempinho especialmente nas salas de Rafael, com seus afrescos, na Pinacoteca com mais de 400 quadros de nomes como Leonardo Da Vinci e Caravaggio, além é, claro, da magnífica Capela Sistina!

Museu do Vaticano

Um passeio completo pelo Vaticano pode tomar quase o dia inteiro, se você decidir ver tudo com calma, subir à Cupula, visitar os museus…

Mas ao sair, ainda dá para dar um pulinho no Castel Sant’Angelo, que fica bem em frente à Praça. O Castelo tem acesso por um corredor que passa sobre as muralhas do Vaticano, que era usado pelo Papa para se esconder no Castelo em caso de invasões à Roma. Além de ser o mausoléu de Adriano. Em frente ao Castelo há a ponte com os 10 anjos de Bernini. Também vale uma passada para admirar.

Pra fechar o dia, vale uma parada na Piazza Del Rissorgimento, onde você pode comer um panino, tradicional sanduíche italiano, maravilhoso.

Dia 2 – Coliseu e cia 

No segundo dia, um mergulho na história nos espera! Será a vez de conhecer o Coliseu, o Arco de Constantino, o Foro Romano e o Palatino.

Nesse passeio certamente você ficará encantado com a capacidade de conservação histórica dos romanos. São construções e ruínas de mais de 2 mil anos conservadas!

Depois de certamente enfrentar alguma fila para entrar no Coliseu, não há como não suspirar ao entender que estará pisando no mesmo terreno que gladiadores romanos de milênios atrás. Este é o maior Anfiteatro do mundo e também um dos maiores símbolos de Roma.

Coliseu – Roma

Depois do Coliseu, vale uma paradinha no Arco de Constantino, construído após Constantino vencer a batalha da Ponte Mílvia, em 312 d.C. Ele fica bem em frente ao Coliseu.

Dali, basta pegar a Via Sacra, logo ao lado, caminhar um pouco e chegar ao Foro Romano.

Antes do Foro Romano, vale uma passada no Palatino, que segundo a mitologia romana, foi o local onde nasceram Rômulo e Remo, os dois bebês amamentados pela loba. De acordo com a lenda, Rômulo matou Remo e fundou Roma. O lugar é hoje um grande museu a céu aberto.

Depois, aí sim você pode curtir o Foro Romano. Esse local era o espaço público de Roma e abrigava o Senado, o Parlamento, o comércio local, templos e etc.

Fórum Romano

Depois de apreciar esse banho de história, vamos seguir pela Via dei Fiori Imperiali até chegar a Piazza Venezia, com o magnífico Monumento a Vittorio Emanuelle II, que foi um dos reis de Roma.

Para finalizar o dia, o Campidoglio, uma das sete colinas de Roma, projetada por Michelangelo. Por ali, vamos encontrar o Teatro Marcello, um dos mais antigos de Roma, a igreja da Boca della Verità e o Circo Massimo, que foi o maior estádio da Roma Antiga.

Termine de subir todo o morro e terá uma vista maravilhosa de Roma!

À noite, que tal escolher uma boa pizzaria?

Dia 3 – Roma e suas fontes 

Vamos começar o dia na Praça do Povo, ou Piazza del Popolo, uma das mais famosas do mundo!

Ali estão as Igrejas de Santa Maria del Popolo que abriga duas obras de Caravaggio, além da Santa Maria Montesano e Santa Maria dei Miracoli. Também será possível visitar o Obelisco Flamínio e as duas fontes de Valadier.

Entre as duas últimas igrejas citadas há a Via dei Condoti, cheia de vitrines glamorosas e que conduz até a Piazza di Spagna, onde você poderá contemplar a Fontana di Barcaccia de Bernini.

Dali falta pouco para chegar à belíssima Fontana di Trevi, graciosa de dia e magnífica à noite, toda iluminada.

Fontana di Trevi

Depois de muitas fotos da bela fonte, a próxima parada é o Templo de Adriano com sua praça pitoresca cheia de colunas e uma fonte de água fresca e potável para se refrescar.

Continuando pelo mesmo caminho, vamos nos deparar com o Pantheon! Obra arquitetônica incrível, com seu óculo no interior. Não deixe de seguir a tradição e abraçar uma das colunas do Pantheon!

A última parada do dia será na Praça Navona, com seus artistas de rua, retratistas e um clima que só Roma sabe oferecer!

Gostou? Embarque para conhecer Roma com a Unitur!

 

Jardins do Palácio de Versalhes: a arte da simetria! Entenda por quê.     

O rei Luís XIV era apaixonado por belos jardins e acreditava que naquela época, em pleno século XVII, os jardins eram a mais pura expressão de poder e beleza da França. Era uma forma de impressionar os visitantes do Palácio com suas fontes, estátuas e formas geométricas. Para construir essa extensão do Palácio de Luís […]

Leia mais

Conheça a história e as curiosidades da majestosa Mesquita Azul em Istambul

Antes de falar propriamente da Mesquita Azul precisamos explicar que no Islamismo o número de minaretes, ou torres, de uma mesquita, é proporcional a sua importância. Muitos templos se contentam com um, dois ou até quatro deles. Mas no início do século XVII, o jovem sultão Ahmet, de apenas 19 anos, pediu ao arquiteto a […]

Leia mais

Rota Inaciana: um caminho de peregrinação e “encontro” com Santo Inácio de Loyola

Antes de falar sobre a Rota Inaciana, é importante esclarecer quem foi Inácio de Loyola. Em resumo: militar e, segundo ele mesmo, entregue às vaidades mundanas até os 26 anos, Santo Inácio de Loyola viu sua vida mudar depois de sofrer um ferimento à bala em suas pernas e passar um longo período de convalescência […]

Leia mais

Vivências

Assine nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades!